A Livraria Mágica de Paris – Nina George #resenha

Título: A Livraria Mágica de Paris
Autor: Nina George
Ano da edição: 2016
Ano de publicação: 2013
Páginas: 308 páginas
Editora: Record

“Não podemos decidir amar. Não podemos fazer ninguém nos amar. Não há receita. Há apenas o amor. E nós estamos a sua mercê. Não podemos fazer nada.”

Jean Perdu é um homem amargurado, de meia idade, que foi abandonado pelo amor de sua vida há 20 anos atrás e nunca conseguiu superar a perda e a falta de Manon. Esse velho sarcástico, ermitão e mau humorado, que evita o contato com outras pessoas, até mesmo com os vizinhos que tentam ajudá-lo, acaba tendo que ajudar a nova vizinha, que também foi abandonada pelo seu par. É quando ele reencontra a carta de despedida de seu antigo amor, que nunca havia sido aberta.

Com o baque das descobertas, Jean Perdu, que é o livreiro de um barco em forma de livraria, corta literalmente as amarras e resolve navegar pelos rios da França tentando lidar com a perda, com as descobertas, tentando se achar no meio desse mundão de dores e sofrimentos.

A Livraria Mágica de Paris

Mix de sentimentos! As primeiras páginas eu amei muito. Do fundo do coração. Todo aquele drama, o sofrimento, a amargura. O jeito que Jean Perdu sofria e descontava nas pessoas, e receitava livros como se fossem remédios, citava trechos dos livros, vagava pela vida com um buraco gigante no peito… Fiquei completamente apaixonada. Queria Jean Perdu pra mim, queria cuidar dele. Queria colocar a poesia e a tristeza da Nina George num potinho.

“Os livros podem fazer muitas coisas, mas não tudo. Às coisas mais importantes a gente deve viver. Não ler. Preciso… vivenciar meu livro.”

Porém, como nem tudo são flores, Jean Perdu se depara com um ponto sem retorno e decide buscar a felicidade, se resolver, fechar um ciclo pra poder prosseguir. E é quando eu começo a me enfadar do livro. Vai ficando bobinho e alegórico demais. Meio chatinho. Dei uma patinada.

O final é um pouquinho óbvio, um pouquinho datado, mas muitíssimo emocionante e profundo. Chorei? Chorei. Abracei o livro? Com certeza. Sofri que tinha terminado? Sempre. Mas aquele amor do começo não voltou.

Nina escreve muito bem, muito profundamente. Eu acho que ela enfeita demais, poetisa demais e isso acaba ficando maçante em alguns trechos. Mas é tudo muito bonito e reflexivo.

Esse livro foi escolhido pelo meu Clube de Leitura e acabou entrando no Projeto Lendo o Mundo – já que Nina George é da Alemanha.

Nota

Onde Comprar

Já leram? O que acharam? Tem interesse em ler? Conta pra mim o que você achou! Se você tiver feito a resenha, linka aqui pra mim! Sua opinião é muito importante!

Eu fiquei cheia de vontade de ler A Farmácia Literária, que é um dos livros que inspira Jean Perdu em sua livraria e certamente inspirou Nina George na concepção desse romance. Vocês conhecem esse também?

Beijos <3 Até a próxima!

comments