TAG – Dias da Semana em Livros

Adivinha quem está com canal no youtube? Quem? Quem? Isso mesmo, nós! Bad Rain agora é um canal coisa linda no youtube, postando um vídeo por semana (ou não hahaha) para trazer mais livros, mais nerdices, mais informação e cultura para você! Além de fazer uma ligeira exposição da minha figura também, porque né? Haahahha

Estão prontos? Siiiiim, capitããão!!

Então lá vamos nós!

A TAG vem com a proposta de responder com um livro cada dia da semana. Foi criada pela Pam, do Garota It mas eu vi primeiro no Livros e Blablabla. Não se esqueçam de colocar em HD pra você me ver melhor!

  • Domingo – Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse.
  • Segunda – Um livro que você tem preguiça de começar.
  • Terça – Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação.
  • Quarta – Um livro que você deixou pela metade ou está lendo no momento.
  • Quinta – O livro de quinta. Um livro que você não recomenda.
  • Sexta – Um livro que você quer que chegue logo (lançamento ou compra)
  • Sábado – Um livro que você quis começar novamente assim que ele terminou.

E você? Quais seriam as suas respostas? Você pode responder direto aqui nos comentários, ou pode responder no seu blog ou canal, e linkar aqui pra mim!

Por favor, se inscrevam no canal e cliquem ali no joinha, pra gente continuar produzindo conteúdo por lá!

Beijo <3

Playlist – As 12 Melhores Músicas de Rock Para LipSync

Estamos aqui com mais uma playlist quentíssima para você arrasar no lipsync, versão rock ‘n roll.

Sim, eu sei que você dubla as suas músicas preferidas quando não tem ninguém olhando. Pode confessar! Eu sou ‘aloka’ do lipsync, principalmente quando eu estou dirigindo – sabe quando você para no trânsito, olha para o lado e tem alguém fazendo o Bruce Dickinson loucamente? Essa cara sou eu! HaHaHaHa

Lipsync For Your Life

giphy

E, como estou aqui para facilitar a sua vida, eu preparei exclusivamente para você uma playlist com as 12 músicas de rock mais gostosas para fazer aquela performance no chuveiro, ou no busão lotado, ou na faixa de pedestres esperando o sinal fechar. Rock it!

Vem comigo!

Don’t Stop Me Now – Queen

I Bet You Look Good On a Dancefloor – Arctic Monkeys

Vermillion – Slipknot

Aerials – System of a Down

I don’t want To Miss a Thing – Aerosmith

Paranoid – Black Sabbath

It’s My Life – Bon Jovi

Wuthering Heights – Angra

The Trooper – Iron Maiden

Welcome To The Jungle – Guns N’Roses

Helena – My Chemical Romance

Rock and Roll All Nite – KISS

Recapitulando:

    1. Don’t Stop me Now – Queen
    2. I Bet You Look Good On a Dancefloor – Arctic Monkeys
    3. Vermillion – Slipknot
    4. Aerials – System of a Down
    5. I Don’t Want To Miss a Thing – Aerosmith
    6. Paranoid – Black Sabbath
    7. It’s My Life – Bon Jovi
    8. Wuthering Heights – Angra
    9. The Trooper – Iron Maiden
    10. Welcome To The Jungle – Guns N’Roses
    11. Helena – My Chemical Romance
    12. Rock and Roll All Nite – KISS

Aqui tem a playlist completa para você ouvir e se acabar no lipsync! Não tenha medo, incorpora o Freddie Mercury e seja feliz!

Dica: Se você clicar no logo do Spotify (aquela bolinha verde no cantinho direito), a playlist abre direto no aplicativo!

Deixa um comentário aqui embaixo dizendo o que você achou, e me dizendo quais temas de playlist você gostaria que eu postasse. Isso é muito importante para mim e para o crescimento do blog.

Beijo! <3

It: A Coisa – Stephen King #resenha

Título: It: A Coisa
Autor: Stephen King
Ano da edição: 2014
Ano de publicação: 1986
Páginas: 1104
Editora:  Suma de Letras

Talvez seja por isso que Deus nos fez crianças primeiro e nos colocou mais perto do chão, porque Ele sabe que é preciso cair muito e sangrar muito pra aprender essa simples lição. Você paga pelo que recebe, você é dono daquilo pelo que pagou… e mais cedo ou mais tarde, o que é seu volta pra casa, pra você.

It – A Coisa

O que dizer sobre esse Stephen King que mal conheço mas já considero pacas?

Nunca tinha lido nada de terror ou horror na vida! O mais próximo disso que eu tinha chegado era A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, que não faz nem cócegas. Mas nesse ano eu estava determinada a inovar, sair de dentro da caixa, e desbravar novas leituras. Minha nota:

4 estrelas

Eu nunca gostei muito de palhaço. Sempre achei um personagem muito bizarro para ‘alegrar’ crianças, com aquela cara toda pintada e uma peruca desgrenhada. Pois bem. Depois desse livro, acho que se encontrar com um palhaço na rua, segurando balões eu caio durinha no chão HAHAHAHA tô rindo mas é de nervoso.

A história é muito bem estruturada, e vou dizer uma coisa pra vocês: King escreve MUITO. Detalhadamente mas sem ser maçante, coeso, inteligente e por incrível que pareça, mesmo escrevendo um livro de terror, com personagens sobrenaturais, ele soa extremamente convincente. Tem aquela escrita orgânica e fluida, que prende a gente, e quando a gente percebe, já são 1h30 da manhã e você ainda não largou o livro nem pra fazer xixi.

Nessa nova fase do blog eu não vou me ater muito à sinopse, porque se a gente googlar It: A Coisa, encontram-se milhares de sinopses diferentes, todas elas dizendo a mesma coisa. Vou me concentrar mais em passar pra vocês as minhas impressões sobre o livro.

A história se passa em Derry, no Maine. Parte em 1958 quando os personagens tem 11 anos e ‘enfrentam’ A Coisa pela primeira vez, e parte em 1985 quando os personagens se encontram mais uma vez com o bichão.

Uma criatura sobrenatural vive nos esgotos de Derry, e a cada 27 anos acorda para se alimentar. O problema é que essa Coisa se alimenta de crianças entre 3 e 19 anos, e toma forma do seu pior pesadelo – pode ser um lobisomem, pode ser uma múmia ou um corvo agourento. Ela come crianças porque o medo das crianças é mais fácil de ser personificado.

Essa coisa ia morrer de fome se fosse se materializar na forma da conta de telefone atrasada, imagine só! E nessa forma assustadora, mata a pobre criança de medo, literalmente. A cara mais comum desse bichão é de um palhaço bizarro, com uma roupa prateada com pompons laranjas, uma bocarra manchada de vermelho sangue e olhos sem fundo – e ele está sempre segurando balões coloridos socorro, mããããe!, mais conhecido como Pennywise, o Palhaço Dançarino.

A primeira cena do livro já é assustadoramente sinistra, quando o George Denbrough (o irmãozinho de Bill – um dos personagens principais, líder do Clube dos Otários) é assassinado pela Coisa, e a Coisa COME o braço dele. Gente, é sério! O negócio é brabo, o menininho tem 6 anos!

Bill Denbrough – gago, Mike Hanlon – negro, Beverly Marsh – menina e apanhava do pai, Ben Hanscom – gordo (meu personagem preferido), Stan Uris – judeu, Rich Tozier – usava óculos e Eddie Kaspbrak – asmático e protegido da mamãe – se tornam amigos porque sofriam bullying e eram perseguidos pelo valentão da escola, Henry Bowers, e seus dois asseclas Victor Criss e Arroto Huggins. Eles eram ou rejeitados ou traumatizados ou solitários demais, e por causa desse bullying, fugiam para um terreno baldio cheio de vegetação, beirando o rio, que se chamava Barrens. E foi dessa forma que se conheceram e começaram a brincar juntos.

Beverly, Ben, Eddie, Stan, Mike, Bill e Richie

A Coisa aparece para essas 7 crianças, em diferentes formas, aterroriza-as mas não consegue mata-las. Quando compartilham essas situações assustadoras com os amigos, e todos tendo passado por situações semelhantes aliadas ao fato de que Bill teve seu irmão mais novo assassinado pela própria coisa, decidem formar o Clube dos Otários – destinado a pesquisar sobre o monstro, enfrenta-lo e vencê-lo.

27 anos depois, tendo cada um seguido seu caminho, eles não se lembravam de nada, nem de sua infância, nem de Derry, nem dos outros, nem da Coisa. Mas recebem uma ligação de Mike Hanlon – que era o único que não tinha deixado a cidade – avisando-os que A Coisa tinha voltado e lembrando-os da promessa que eles fizeram quando crianças, de que se voltasse a acontecer, eles retornariam ao Maine e acabariam de vez com o palhação maldito.

E a história se desenrola a partir daí. Capítulos no presente, eles se reencontrando e tentando lembrar da infância, tentando descobrir por que esqueceram de tudo. Capítulos no passado, contando as experiências de vida que os levou àquele ponto, que os aproximou, e aos motivos pelos quais eles eram capazes de matar o palhaço. Capítulos investigativos, visto que Mike Hanlon permaneceu na cidade, não tendo se esquecido de tudo, ficou atento a qualquer sinal da Coisa, se tornou o bibliotecário de Derry, entrevistou várias pessoas sobre eventos sobrenaturais, e estava escrevendo um livro sobre o tema. E capítulos narrados pela consciência da Coisa.

Pennywise

É bem legal a dinâmica da narrativa, a forma como Stephen King vai te dando tão pouco da história para te situar e alguns capítulos a frente retoma aquele ponto, e revela mais um pouquinho, construindo os personagens tijolo por tijolo, deixando que você escolha de que lado ficar, com quem simpatizar e deixando que você assuma determinadas suposições para desmenti-las mais pra frente. Bem legal mesmo. Um mestre! Tenho até um pouco de arrependimento por não ter lido antes.

Mas nem tudo são maravilhas! Houveram alguns pontos em que eu tenho que criticar. Primeiramente, achei o personagem de Richie Tozier muito desnecessário. Ele é o fator engraçadinho da história, aquele amigo que força piada o tempo todo, que a gente não suporta. Tendo em vista um livro com uma temática tão pesada, eu compreendo a necessidade de um alívio cômico, mas o próprio Pennywise cumpre esse papel em muitas situações e a forma como Stephen King trata a obesidade de Ben Hanscom também cumpre. Algumas piadocas poderiam ser atribuídas a qualquer outro integrante do Clube dos Otários, e soaria muito mais natural. Do modo como eu vejo, achei forçado, achei bobo e desnecessário.

spoiler alert

Não é exatamente um spoiler porque a fama dessa cena precede a própria história. Mas tem a FAMOSA cena de sexo entre as crianças – uma orgia infantil, ou quase isso. Todos os meninos transam com a Beverly, no esgoto, depois de ter vencido A Coisa pela primeira vez. A justificativa é de que eles estavam se perdendo, porque tendo A Coisa morrido, eles não tinham mais aquela conexão forte entre si e Eddie – que era o guia do grupo – não estava conseguindo encontrar a saída. Então Beverly sugeriu que transasse com todos eles, pra conexão aumentar e eles conseguissem sair do subsolo/submundo.

Olha, eu achei forçado demais, hein? Entendi como uma necessidade exagerada de chocar o leitor ainda mais, um desespero pra aparecer sem necessidade. E eu desgostei não apenas pelo apelo sexual infantil bobo, mas principalmente porque não havia nenhuma coerência para esse tipo de situação na história. Além do que, o autor passa o livro inteiro frisando que a única chance deles de fazer ‘a magia’ funcionar seria se permanecessem com a mente de crianças, e vamos combinar que transar com seis pessoas diferentes num esgoto fedido não é exatamente o mais recomendado para se manter com a mente infantil, não é mesmo? Sei lá. Achei bem ruim essa passagem.

Onde Comprar

E vocês, já leram? O que acharam? Deixe sua opinião nos comentários, isso é muito importante para mim e para o crescimento do blog!

Quais outros livros de Stephen King vocês recomendam?

Beijo

comments

Idealismo

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo!
O amor da Humanidade é uma mentira.
É. E é por isto que na minha lira
De amores fúteis poucas vezes falo.
O amor!Quando virei por fim a amá-lo?!
Quando, se o amor que a Humanidade inspira
É o amor do sibarita e da hetaira,
De Messalina e de Sardanapalo?! 
Pois é mister que, para o amor sagrado,
O mundo fique imaterializado
— Alavanca desviada do seu fulcro — 
E haja só amizade verdadeira
Duma caveira para outra caveira,
Do meu sepulcro para o teu sepulcro?!

Editora Draco #parceria

A novidade mais linda dessa nova fase do blog é a parceria com a editora Draco, que é uma editora amiga que só publica títulos nacionais, de todos os gêneros e também quadrinhos! Com muitas publicações cuidadosas, de boa qualidade e também e-books.

Quem tá feliz com essa novidade grita “SORTEIOOOO”! Hahahaha. Ainda não posso entrar em detalhes detalhísticos, mas vocês sabem que a Sheppita aqui só recomenda para vocês coisa fina, da melhor qualidade! Então acompanhe a editora nesses links aqui embaixo, e fica de olho nas surpresas que estamos preparando pra vocês!! <3 uiuiui mistério suspense uiuiui

Olha que bacana:
Facebook: Editora Draco
Twitter: @Editora Draco

Editora Draco

O que o nosso draco propõe?

Algo diferente. Invés de apenas vigiar esses tesouros cobiçados, queremos também apresentá-los a todos que os buscam. Esses tesouros estão por toda parte: internet — em suas muitas facetas como blogs, sites de compartilhamento e redes sociais; computadores pessoais — escondidos por autores que são verdadeiros dragões, no sentido original da palavra; impressos — compartilhados entre amigos e familiares — e, claro, também nas estantes das livrarias por todo o país. Esses tesouros, ou podemos dizer, tesouro: a literatura fantástica brasileira.

A Editora Draco quer fazer conhecido esse imaginário brasileiro, tão nosso e único, mesmo influenciado por obras estrangeiras que chegam através de livros e outros meios. Queremos publicar autores brasileiros, aliando design, ilustrações e tudo o que for possível para melhorar nossos produtos. Que nossos leitores sejam atraídos pela beleza, mas nunca deixem de
se maravilhar com as histórias e personagens que nossos livros trazem.

Que os autores brasileiros possam compartilhar seus tesouros e nós, amantes de livros e literatura fantástica, possamos ajudá-los a chegar aos leitores, abrindo portões e vencendo armadilhas, criando imagens e histórias que possam ser contadas por muitos anos.

O dragão despertou e convida a todos para desfrutar desse tesouro.

Leia Mais