The Doctor’s Wife

E se juntássemos duas paixões num mesmo episódio?

Neil Gaiman + Doctor Who

E foi o que aconteceu no 4º episódio da 6ª temporada de Doctor Who, em que o roteirista foi – nada mais, nada menos que o lendário e brilhante – Neil Gaiman. Foi ao ar dia 14 de maio de 2011, ganhou o Ray Bradbury Award por Melhor Apresentação Dramática em 2011 e ganhou também um Hugo Award por Melhor Apresentação Dramática (Curta Metragem) em 2012.

O episódio é sombrio, é super triste, e nesses anos todos de whovian, esse é o meu episódio preferido.

Neil Gaiman, Suzanne Jones (Idris) e Matt Smith (The Doctor)

SPOILER ALERT: Se você pretende assistir, não continue a leitura. Tá cheio de spoilers!


 

Viajando pelo universo, estacionada bem no meio do nada, o Doctor recebe correspondência! Um pedido de ajuda do Corsário, um velho amigo seu, que mora em outro universo. QUE? Isso mesmo, a TARDIS leva Amy, Rory e o Doctor pra fora de nosso universo.

Quando chegam lá, encontram Titia, Titio e o Sobrinho, que são uma espécie de Frankenstein, construídos a partir de pedaços de outros viajantes. E conhecem também a lindíssima Idris (protagonizada pela Suzanne Jones) que parece ter saído de um filme do Tim Burton, ou dos próprios quadrinhos de Sandman – impossível ser mais Gaiman, transtornada, maluquinha, chamando o Doctor de ladrão, beijando e mordendo melhor parte um Doutor assustado! Esse planeta em que aterrissaram parecia um ferro-velho, uma fenda no nosso universo, ao qual seus moradores chamavam de The House (Michael Sheen faz a voz de The House – isso mesmo, ele é o Aro Volturi, de Crepúsculo).

Titio, Titia e O Doctor

O Doctor ouve chamados de socorro de antigos Time Lords, e conclui que felizmente, ainda há sobreviventes da velha Gallifrey. Com medo do que poderia acontecer, tranca Rory e Amy na TARDIS e sai em socorro de seus irmãos. Quando descobre que isso tudo era um golpe de The House para acabar com o último dos Doctors, vai atrás de Idris para mais informações sobre o que estava acontecendo.

Ao conversarem sobre assuntos que somente os dois poderiam saber, o Doctor enfim acredita que a bela Idris é a sua Tardis. The House removeu a matriz vital da TARDIS e aprisionou no corpo daquela mulher, para poder consumir a energia restante na caixa, e viver dentro dela, deixando o último Doutor de Gallifrey sem nave e preso naquele universo distante.

Idris: “Eu sou a sua TARDIS! E você é o meu Doutor!”

Enquanto The House tortura mentalmente Rory e Amy, promovendo caçadas e jogos mentais, já que eles estão presos dentro da caixa, o Doctor e a Idris tentam construir uma nova TARDIS com os pedaços de velhas caixas meio comidas, que iam encontrando. Depois de pronta, a lançam no universo, para se sobrepor a TARDIS roubada e recuperá-la, utilizando a energia vital de Idris, que é a matriz da própria nave.

O corpo humano não tem capacidade para sustentar a quantidade de energia da matriz da TARDIS, e infelizmente, Idris tem que partir, deixando o Doctor chorando cara, eu chorei junto, e acabando com a matriz de The House que estava habitando a nave. Numa cena triste, emocionante, apaixonada. Do cara doido com sua caixa azul.

Não, Idris! Por favor, não vai!

Trivia sobre esse episódio:

  • A antiga sala de controle para a qual Idris manda Amy e Rory parece ser a sala de controle da nave usada nas Temporadas 1-4, antes de ser redesenhada para a Temporada 5.
  • A Idris censura o Doctor pelo jeito que ele entra na caixa – empurrando as portas. Ela chama a sua atenção, já que há uma placa de instruções na porta da caixa “Puxe para abrir”, e ele nunca lê as instruções. O que é curioso, visto que as cabines telefônicas de fato abrem pra fora.
  • A sala de controle improvisada que Idris e o Doutor constroem foi desenhada pela vencedora de um programa infantil chamado Blue Peter, para pequenos whovians.

Cena de The Doctor’s Wife

O que acharam?

Gostaram do episódio? Qual é seu favorito?

Beijo <3

 

comments