The Ultimate Book TAG

A nova TAG do Tchan é linda, deixa ela entrar!

Nossa, cara, apaga isso, ficou péssimo! HAHAHA Não pude evitar! I’m sorry! Hoje nós vamos ter por aqui a The Ultimate Book TAG, que eu simplesmente amei quando vi no blog de um dos leitores do blog, o Dialética Proposital. É tipo uma entrevista, e eu amo ser entrevistada falou a celebridade metidona que é entrevistada todo dia ainda mais com perguntas super pertinentes sobre livros e a vivência com eles.

The Ultimate Book TAG

1. Você passa mal quando lê no carro?

R: Só quando a letra do livro é muito pequena, ou quando eu leio no celular.

2. Que autor você acha que possui um estilo de escrita totalmente exclusivo e por quê?

R: Como vocês estão carecas de saber, eu acho Neil Gaiman extremamente exclusivo. Acho que a escrita dele é muito especial e inconfundível. Além do mais, ele criou mundos tão específicos que fica impossível confundir. Nem se alguém copiar acho que ficaria tão bom e tão ‘ele’.

3. A Série Harry Potter ou a Saga Crepúsculo?

R: Acho as duas sagas muito parecidas em seus elementos. Só que eu prefiro Crepúsculo desculpa, sociedade! Mas me deixe me defender. Eu prefiro porque acho que Harry Potter se alongou demais para que J. K. Rowling lucrasse mais, sendo que ela não precisava porque tudo o que ela escreveu depois é igualmente bacana. Eu gosto mais da história de vampiros, fico com Crepúsculo.

4. Você costuma carregar livros na bolsa/mochila? Se sim, o que você leva (além de livros)?

R: Eu viajo muito a trabalho, então carregava sempre uns 7 ou 8 livros nas minhas viagens. Eu comprei o kindle justamente por causa disso. É um peso absurdo pra gente ficar arrastando aeroportos e rodoviárias a fora. Meus livros de papel eu leio em casa, e o e-reader nas viagens, ônibus, aviões e afins. Além do kindle, eu levo itens de higiene, milhares de lip balms (porque minha boca é muito muito ressecada), álcool em gel, e fone de ouvido.

5. Você cheira seus livros?

R: T-O-D-O-S! Shepps, você precisa tratar isso no psicólogo! Eu sei, mas não consigo evitar! Eu amo cheirinho de livro novo, e amo cheirinho de livro velho e guardado, e amo cheiro de livro muito manuseado. Apenas amo. Já cheirei meu kindle uma porção de vezes, mas nem se compara!

6. Livros com ou sem pequenas ilustrações?

R: Com. Sempre! Eu já gostava daquelas ilustrações nos começos dos capítulos, mas não curtia muito livro ilustrado. Depois da coleção do selo Barba Negra, com as ilustrações maravilhosas de O Fantasma de Caterville, eu fiquei apaixonada! Dá pra ver mais AQUI. Livros com fotografias também adoro.

7. Qual o livro que você amou ler, mas descobriu depois que na verdade ele não era tão bom quanto imaginava?

R: Entrevista com o Vampiro. Eu estava no desejo de ler esse livro pelo hype que ele carrega com ele, né? Mas detestei. DON’T BELIEVE THE HYPE! Os personagens são péssimos, vazios e sem sentido. Os ambientes são exaustivamente descritos porém não daquele jeito Alexandre Dumas maravilhoso, aqui é de um jeito chato, que parece que está enchendo linguiça. Sei lá. Eu acabei adquirindo os outros volumes das Crônicas Vampirescas pra ver se eu mudo essa minha impressão.

8. Você tem alguma história engraçada envolvendo livros da sua infância? Por favor, compartilhe!

R: Não sei se é engraçado, mas é curioso. Eu comecei a ler muito compulsivamente desde pequena, então eu ganhava medalhas mensais da biblioteca da escola e da biblioteca pública da minha cidade (ambas emprestavam livros mediante um cadastro, e se você atrasasse na entrega, tinha que pagar multa – eu usava essas bibliotecas porque não tinha grana pra comprar nem livros nem HQ’s). Todo mês ambas as bibliotecas premiavam com uma medalha de cartolina o leitor mais assíduo (a da escola logicamente copiava o procedimento da biblioteca da cidade). E eu ganhei todos os meses, das duas bibliotecas, por uns bons 3 anos. E eu exibia as medalhas no pescoço a semana inteira na escola, o que logicamente não fazia de mim a garota mais amada daquelas bandas.

9. Qual é o livro mais fino da sua estante?

R: O Diabo, do Tolstói, com 48 páginas.

10. Qual é o livro mais grosso da sua estante?

R: A coleção de As Crônicas de Gelo e Fogo, do George R. R. Martin, com 6312 páginas.

11. Você escreve tão bem quanto lê? Você se vê no futuro como um autor?

R: Não mesmo. Eu leio muito melhor que escrevo. Já publiquei algumas coisas em livros de coletâneas da minha cidade, e ganhei uma boa porção de concursos de redação, mas infelizmente, escrevo muito menos que gostaria. Ser uma autora é um sonho antigo! Gostaria mesmo de conseguir reunir a coragem necessária e voltar a escrever de verdade.

12. Quando você começou a ler?

R: Eu fui alfabetizada aos 4. Cheguei na escolinha sabendo ler e escrever uma boa quantidade de palavras. Com 8 eu já frequentava as bibliotecas a que tinha acesso e lia tudo o que colocava as mãos (e que não era censurado pela minha mãe). Com 10 eu já estava lendo Agatha Christie e Machado de Assis. Com 12 eu li o livro mais incrível e mais marcante da minha vida (e isso permanece em mim até hoje): Carmen, do Prosper Merimee. Com 13 eu li Crime e Castigo (mas não entendi bolufas, lógico). Daí pra frente, eu só evoluí!

13. Qual é o seu livro clássico favorito?

R: Romeu e Julieta, de William Shakespeare clichê, só vejo clichê.

14. Na escola qual era a matéria em que você era melhor Artes, Português, Matemática, Idioma/Inglês ou Outra?

R: Matemática. Embora eu fosse muito boa em todas as matérias que não fosse da área de Biologia/Química.

15. Se você ganhasse como presente um livro que você tinha lido antes e odiado, o que você faria?

R: Isso acontece com MUITA frequência. As pessoas me dão livros hypados, que estão na moda e acham que eu vou amar, mas na verdade eu já li e odiei. Eu aceito de bom grado, porque eu AMO ganhar livros, e disponibilizo pra trocar no Skoob.

16. Você conhece alguma série menos conhecida que é semelhante a Harry Potter ou Jogos Vorazes?

R: Uhn… Acho que não! Até porque distopia não é minha leitura preferida, então, eu me envolvo pouco.

17. Qual mau hábito que você sempre faz (além de divagar), enquanto bloga?

R: Eu fico fazendo piadinhas, e faço perguntas como se fossem os leitores e eu mesma respondo. Muita gente acha engraçado e gosta dessa abordagem, mas muita gente acha que eu tô forçando. Só que eu realmente sou assim na vida real, então é um vício difícil de me livrar.

E vocêS? Beijo <3

comments

Comentários

  1. Adorei suas respostas Roberta, ficou hilariante e não achei nada forçado, pelo contrário, me pareceu estar realmente conversando com você.

    Estou super feliz por ter sua presença carimbada em forma de comentário, fique sempre a vontade para visitar, copiar e comentar em meu blog.

    Grande abraço,

    Julielton Souza – Dialética Proposital

    1. Que bom que você gostou, Julielton.
      Mas pode ficar descansado que quando houver uma TAG bacana, eu coloco os créditos com o link, com todo o respeito, conforme hoje.

      Beijos